Paulo Cesar de Barros Ribeiro

Published: Last Edited:

This essay has been submitted by a student. This is not an example of the work written by our professional essay writers.

Paulo Cesar de Barros Ribeiro, aluno no. 903480, Turma no. 12

Em analise as questoes propostas, declaro que Levi-Strauss foi sem duvida o grande representante do estruturalismo em antropologia social. O autor revolucionou a antropologia francesa, apos contacto com autores americanos, abordou novas problematicas, como o parentesco, mitos, alimentacao, a semantica e a critica literaria. Strauss demonstrou que podia fazer-se uma antropologia de forma colectiva, criando o Laboratorio de Antropologia Social, o interesse do metodo etnografico na compreensao das realidades contemporaneas era sem duvida o principal objectivo do autor. Dai no campo de estudos da antropologia e do mito, o trabalho foi levado adiante por Strauss, no periodo imediato a II Guerra Mundial, ele divulgou e introduziu os principios do estruturalismo para uma grande audiencia, alcancando uma influencia quase universal, fazendo com que o seu nome, o de Levi-Strauss, nao so se confundisse com o estruturalismo como se tornasse um sinonimo dele. O estruturalismo virou o"moda" intelectual nos anos 60 e 70, os livros dele (" o Pensamento Selvagem", "Tristes Tropicos", "Antropologia Estrutural" e as "Estruturas Elementares do Parentesco"), tiveram um alcance que transcendeu em muito aos interesses dos especialistas ou curiosos da antropologia. Desde aquela epoca, o estruturalismo de Levi-Strauss, tornou-se uma referencia na filosofia, psicologia e sociologia, de certo modo e respeitando a indiferenca dele pela historia (" o etnologo respeita a historia, mas nao lhe da um valor privilegiado", in O Pensamento Selvagem, 1970, pag.292), pode-se entender a antropologia estrutural como um metodo de tentar entender a historia de sociedades que nao a tem, como e o caso das sociedades primitivas. Levi-Strauss e Radcliffe-Brown tinham os dois uma perspectiva diferente, um defendia o estruturalismo e o outro defendia o funcionalismo. Strauss via o estruturalismo como um objecto de analise estrutural, que consiste em procurar pelo metodo dedutivo as estruturas particularmente inconscientes que podem ser evidenciadas a partir de dados empiricos etnograficos, segundo ele, as estruturas nao correspondem a realidade empirica mas aos modelos que sao construidos a partir dela, os quais devem satisfazer tres condicoes: 1) apresentar um caracter de sistema onde todos os elementos sao solidarios uns dos outros, de tal que nenhum se pode modificar sem que esta mudanca afecte todos os outros; 2) tornar possivel uma serie de transformacoes ordenadas, conduzindo a um ou varios grupos de modelos do mesmo tipo; 3) permitir prever de que forma reagira o modelo se um ou varios dos seus elementos for modificado (Levi-Strauss, 1985). Outra das caracteristicas de Strauss do estruturalismo era querer explicar a relacao do universo com o particular, com fundamento em relacoes de transformacao dos modelos sociais, ja Radcliffe-Brown defendia a estrutura com tendo "uma disposicao ordenada de partes ou de elementos que a compoem" e segundo a proposta "Os elementos da estrutura sao pessoas, seres humanos, considerados nao como organismos mas como ocupando um lugar na estrutura social" e quanto a estrutura social ele diz "designa a rede complexa de relacoes sociais existindo realmente e reunindo seres humanos individuais num certo ambiente natural" (A. R. Radcliffe-Brown, 1968:313), ou seja, para ele a estrutura tem uma existencia concreta, provida de elementos na forma de individuos, com lugar marcado na estrutura social, a qual ela propria resulta de relacoes inter-individuais reais. No entanto, apesar das semelhancas, existem muitas diferencas entre ambos. A principal diferenca entre o conceito de estrutura usado por Radcliffe Brown e o de Levi-Strauss e que para este, a estrutura seria apenas uma matriz ou modelo de analise construido a partir da observacao da realidade social. Levi-Strauss percebeu dois tipos de dinamica na realidade social: uma previsivel porque prevista no proprio sistema ou estrutura, outra imprevisivel, isto e, imponderavel, por se dever a casos e circunstancias exogenas a estrutura. Apesar de Radcliffe-Brown nao adoptar o metodo comparativo como unico, mas como um dos modos de testar hipoteses, e de tambem enfatizar o aspecto relacional, tal como os estruturalistas, a diferenca entre os dois reside na aplicacao dada ao conceito de estrutura como instrumento de conhecimento da sociedade. Para Radcliffe-Brown, estrutura e "uma teia de relacoes (sociais) realmente existentes", sendo a expressao da realidade empirica. Para Levi-Strauss, nao ha essa relacao entre realidade empirica e estrutura, visto que estrutura e o modelo construido para apreender a realidade empirica e procedendo desta forma a distincao entre relacoes sociais e estrutura.

Claude Levi-Strauss como bom estruturalista e grande pensador Frances abandonou o ensino para dedicar-se exclusivamente as suas pesquisas junto aos povos indigenas de Goias, Mato Grosso e Parana. Segundo ele, foram essas viagens que despertaram o seu interesse pela antropologia e pela pesquisa. Como resultado desses estudos, escreveu uma obra fundamental, Tristes Tropicos. O grande merito cientifico de Levi-Strauss e a base de sua teoria deve-se a aplicacao de conjunto dos factos humanos de natureza simbolica um metodo, o metodo estruturalista. Assim sendo, ele passa a tratar do "pensamento selvagem" e nao mais do "pensamento do selvagem". Parece apenas um jogo de palavras, mas na verdade, e uma total mudanca nas pesquisas antropologicas. Sua obra O Pensamento Selvagem, de 1962, e o marco historico dessa mudanca. Baseando os seus estudos nas oposicoes binarias (na Linguistica de Saussure, como exemplos, os conceitos significante e significado; forma e conteudo.). Estudou oposicoes como: o cru e o cozido; o quente e o frio, o animal e o humano. Distinguia-se dos demais antropologos pelo facto de que os outros procurava mostrar as diferencas entre povos e culturas, enquanto ele investigava as estruturas universais, tambem chamadas "estruturas profundas". Os seus estudos colaboraram mais para a igualdade de povos e culturas do que para as diferencas entre eles. Essas semelhancas, porem, encontravam-se naquilo que era essencial e nao apenas externo, como viam os demais antropologos. Um dos fundamentos do Estruturalismo e exactamente a oposicao essencia / aparencia. Em o Cru e o Cozido, Levi-Strauss afirmou ter orientado as suas pesquisas etnograficas na direccao da psicologia, da logica e da filosofia (a essencia). Nao estava interessado nos propositos a que serviam as praticas rituais de uma determinada sociedade (a aparencia), Como exemplo a sociedade no bororo, Levi-Strauss escreveu: " (...) a divisao da aldeia Bororo em metades exogamicas (...)", segundo ele refere-se a uma ordem simbolica, "(...) o dualismo concentrico da aldeia Bororo , opondo a circunferencia profana e o centro sagrado(...)" ( retirado de "Antropologia estrutural", pag. 89). Acho que toda a vida religiosa e social e logo as consequencias no sistema andam a volta de como a aldeia e disposta. Os salesianos tentaram converter os Bororo, modificando a estrutura da aldeia, colocando as casas em filas paralelas, mas sem grande exito diga-se. Outra coisa interessante nos Bororo, e o facto de" (...) as mulheres habitarem e herdarem as casas onde nasceram. No casamento o homem, atravessa a clareira que separa as duas metades e vai morar para o outro lado: a casa do homem implica entao um desenraizamento (...)". (retirado da internet do livro " Tristes Tropicos", pag. 207). Como dizia Levi Strauss " o que confere ao parentesco o caracter de facto social nao e o que deve a natureza, mas a maneira como se separa dela. E esta maneira e muito diversificada" natureza/cultura.

"A antropologia oferece um conhecimento humano e comparativo do mundo e da sua diversidade cultural"

Bibliografia

  • Armindo dos Santos, Antropologia Geral - Etnografia, Etnologia, Antropologia Social, Universidade Aberta [259], 2002 [paginas 91 - 230]
  • Descola, 2009. (Texto de apoio para a realizacao do e-folio A de Antropologia Geral II)
  • http://pt.shvoong.com/social-sciences/1674137-estruturalismo-estruturalistas-na-antropologia-social/. (consultado na internet dia 29 de Marco)