60

INTRODUCAO

Esta pesquisa, intitulada 'Qualidade de vida na terceira idade: a percepcao dos idosos do municipio de Ibiracu – ES' teve como foco principal de que forma a populacao idosa de Ibiracu busca e pode alcancar a qualidade de vida na terceira idade.

Desta forma definimos como objetivo geral conhecer a realidade dos idosos participantes do Grupo de Atividade Fisica e do Conviver e averiguar a percepcao deles acerca de sua qualidade de vida. E estabelecemos como objetivos especificos: Definir e direcionar os principais aspectos relacionados a qualidade de vida na terceira idade, Conhecer, descrever e avaliar as formas de atuacao com grupos da terceira idade, Determinar as contribuicoes que sao oferecidas para todos que participam do Grupo de Atividade Fisica e do Conviver, Analisar a busca pela qualidade de vida na terceira idade e avaliar seus efeitos nos grupos da terceira idade, do municipio de Ibiracu.

Inicialmente apresentamos conceitos acerca da terceira idade: definicoes e subdivisoes por faixas etarias, entre outras. A partir destas definicoes, adotou-se um enfoque especifico, a saber, a qualidade de vida na terceira idade.

Para melhor compreensao do tema abordado, busca-se a seguir mostrar as politicas publicas para os idosos, descrevendo a existencia ou nao de alguns elementos que possam proporcionar qualidade de vida para os idosos residentes no municipio de Ibiracu.

O capitulo seguinte aborda uma discussao acerca da importancia dos espacos fisicos e alternativos para assim contribuir com uma boa convivencia em familia. Ainda neste capitulo destaca-se a falta de um espaco fisico adequado para os idosos e os que foram implantados terem suas estruturas melhoradas.

O proximo capitulo traz a metodologia utilizada para classificacao da pesquisa, comentarios sobre participantes, tecnicas para coleta de dados os instrumentos, possibilidade de tratamento de dados e o procedimento da analise dos resultados da pesquisa.

No capitulo seguinte, sao apresentados os resultados e a analise dos dados obtidos por meio da pesquisa de campo e que representa a percepcao dos idosos do municipio de Ibiracu.

Por fim, sugere-se algumas consideracoes, fruto das reflexoes permitidas pelas analises dos dados coletados junto aos idosos acerca da questao proposta para esta pesquisa.


1. TERCEIRA IDADE

Antes de tudo e importante definirmos o que e terceira idade, para tanto, adotamos aqui o que consta na Lei nº. 8842, que dispoe sobre a Politica Nacional do Idoso, a qual considera idoso todo individuo maior de sessenta anos de idade.

A Organizacao das Nacoes Unidas (ONU) divide os idosos em tres categorias: os pre-idosos (entre 55 e 64 anos) os idosos jovens (entre 65 e 79 anos) e idosos de idade avancada (acima de 80 anos).

O Brasil vem passando por uma transformacao no seu perfil demografico destacando-se o aumento da expectativa de vida. Conforme dados da Organizacao das Nacoes Unidas, hoje ja sao aproximadamente 14 milhoes de pessoas na faixa etaria considerada 'terceira idade'.

Estima-se que no ano 2025 sejam 33,5 milhoes de idosos, segundo a Organizacao Mundial da Saude, assim o Brasil ocupara a sexta posicao em numero de pessoas idosas.

Ao chegarmos ao seculo XXI, o envelhecimento global causou um aumento nas demandas nas areas social, de saude, lazer e na economia em todo o mundo. Sabe-se que, junto com o aumento do tempo de vida das pessoas, novos desafios surgem e se impoem a sociedade. Hoje ja se reconhece a importancia do cuidado em longo prazo na comunidade para a populacao idosa. Desta forma, o processo de envelhecimento firma-se como um processo natural e cultural simultaneamente, envolvendo uma ampla gama de modificacoes na vida das pessoas, passando tanto pelos aspectos fisicos, sociais, culturais e emocionais dos individuos.

O envelhecimento e um processo extremamente complexo e pouco conhecido na vida de um individuo, com implicacoes tanto para quem vivencia como para a sociedade que o assiste.

De acordo com o Estatuto do Idoso (2006), em seu artigo 2º:

O idoso goza de todos os direitos fundamentais inerentes a pessoa humana, sem prejuizo da protecao integral de que trata esta lei assegurando-se-lhe, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades para prevencao de sua saude fisica e mental e seu a perfeicoamento moral, intelectual, espiritual e social, em condicoes de liberdade e dignidade.

Porem, e visto que falta a sociedade brasileira o respeito pela existencia, experiencia, e os direitos da pessoa idosa, como a das funcoes sociais que cada cidadao tem. Em uma hipotese mais otimista, enxergaremos o cidadao da terceira idade como um individuo competente que apesar das suas limitacoes fisicas e perda de alguns espacos sociais, podera ser alguem senao economicamente produtivo socialmente produtivo.

O mundo precisa de algo mais do que as energias dos jovens que os levam para frente. Ele requer tambem a forca da sabedoria que preserva valiosos elementos de tradicao. E quem melhor a possui do que mais idosos que ja estao fisicamente bem longe da flor da mocidade. Sua bondade, calma, paciencia equilibrada e tranqüilidade sorridente das pessoas maduras podem ser encorajamento, estimulo e guia para todos. (DUCKEN, 1998, p.99).

Segundo Quintiliano, (2003, p.13), uma visao moderna da velhice implica entender que as pessoas na terceira idade sao muito mais do que um grupo numeroso que precisa de protecao e cuidados. e preciso tambem oferecer os recursos necessarios para facilitar-lhe a vida, para que participem e desfrutem da sociedade em que vivem. Isso deve ser feito sem atitude paternalista, uma vez que os idosos pertencem a um segmento da populacao tao importante como qualquer outro.

Em cada periodo da vida e preciso saber adaptar-se aos momentos e a certas situacoes em que se vive tornando a vida prazerosa e agradavel. A terceira idade e uma etapa que a premissa e viver mais e com qualidade de vida, aprendendo a forma adequada de envelhecer, proporcionando uma vida digna, e uma melhor aceitacao. 

A OMS, no ano de 1999, lancou no Dia Mundial da Saude o tema 'Envelhecer ativamente faz a diferenca', reconhecendo que esta e a chave para as pessoas idosas continuarem a fazer parte da sociedade e com isto alcancarem condicoes mais saudaveis para si mesmas, alem de contribuirem para o desenvolvimento de novas formas de manejo no processo da vida.

A chegada da terceira idade torna-se um trauma para ser encarado se nao for trabalhado adequadamente e adaptado as mudancas e novas situacoes que a vida traz no decorrer da existencia.

Envelhecer e uma realidade que temos de enfrentar inevitavelmente, um caminho de transformacoes e que tem dificuldade, prazeres em situacoes que precisa adaptar a cada dia, participando ativamente dos recursos oferecidos para se obter uma vida melhor, sendo este um processo lento e progressivo.

A juventude tem uma visao da terceira idade como impossibilitado, incapaz de trabalhar e agir ou ate mesmo de sobreviver sozinho, pois a vida produtiva ja se encerrou o corpo nao agüenta as doencas, produzindo a incapacidade.

e com olhos da juventude que se percebe a velhice. Ela e vista como um declinio e, sobretudo, como a impossibilidade de ser positivamente valorizada na medida em que ja ultrapassou o ponto maximo do ciclo da vida, seja do ponto de vista da capacidade fisica e psiquica, com a perda gradual da capacidade de controle do corpo e da mente. (BARROS, apud PEIXOTO, 2004, p.17).

O idoso, para sobreviver na sociedade moderna, tem que se mostrar lucido e independente do grupo familiar, sabendo refletir a realidade em que vive para poder contornar os obstaculos que a idade impoe.

Segundo Barros (apud PEIXOTO, 2004), na sociedade moderna, esta sobrevivencia significa a construcao e permanencia da percepcao de si como sujeito capaz de auto-reflexao como individuo singular, portanto com condicoes psiquicas para isso, como sujeito independente fisicamente para garantir seu status social. Trata se de assegurar seu lugar social como individuo numa sociedade de individuos.


2. QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE

A busca pelo significado de qualidade de vida, de acordo com Belasco e Sesso (2006), parece ser tao antiga como a civilizacao. O que e qualidade de vida? Refere-se aos sentimentos relacionados com a felicidade, realizacao de sonhos e a plenitude.

De fato, a qualidade de vida e uma procura incessante do ser humano, uma das caracteristicas fundamentais da nossa especie, e a eterna necessidade de querer viver bem, de constantemente conhecer novas condicoes para a melhoria do cotidiano, de tentar superar as condicoes mais adversas, mesmo que esta tentativa seja vista pelas demais pessoas como inexpressiva.

Para os idosos pode ser interpretado como o fato de eles poderem se sentir melhores, conseguirem cumprir com suas funcoes em relacao ao contexto em que vivem.

A vida independente que muitas pessoas da terceira idade levam demonstra uma maior capacidade funcional, assim contribuindo para uma melhora da saude fisica e mental, e por conseqüencia uma melhor qualidade de vida.Sendo que o conceito de qualidade de vida esta associado com o conceito de saude, ao compreender o homem como um ser bio-psico-social. A qualidade de vida depende nao so da saude, mas, da familia, dos recursos econômicos, entre outros.

De acordo com a perspectiva de Ferreira (1994), a qualidade de vida tornou-se gradualmente o objetivo dos servicos de saude, paralelamente a prevencao de doencas, efetivacao da cura e alivio de sintomas ou prolongamento da vida humana.

Na terceira idade a manutencao da saude se torna primordial, no seu maior nivel possivel, ou seja, em todos os aspectos da vida humana: fisico, social, psiquico e espiritual.

Coimbra e Brito (1999) defendem que, para o idoso, a qualidade de vida e uma percepcao global positiva da vida, dominio e componentes. Esses dominios englobam a educacao, a individualidade, a saude, o bem-estar: fisico, material e social. As relacoes pessoais, as atividades civis e recreativas, entre outros.

O idoso tem a capacidade de melhorar o seu desempenho fisico com os respectivos beneficios para sua saude, ressaltando, contudo que esta capacidade diminui ao longo dos anos sendo que por outro lado, sabe-se que o organismo do idoso continua a ser exercitavel, tendo a possibilidade de levar uma vida ativa e efetivamente saudavel.

Acrescentando ainda que se devam desenvolver preferencialmente as capacidades que mais se associam aos ganhos de saude. Isto e devem ser privilegiadas as atividades que se associam a capacidade de executar os gestos necessarios ao auto cuidado. Na verdade, a concretizacao de tais atividades conduz ao bem estar do idoso, tanto ao nivel organico e psicologico como no nivel social, uma vez que contribuem para uma melhor integracao social.

A atividade fisica e importante para a saude dos idosos, pois promove e mantem a qualidade de vida, ajuda na autonomia e na independencia dos mesmos.

De acordo com Deliberato (2002), pode-se dizer que a busca pela qualidade de vida e um processo continuo, tanto ao nivel individual como ao nivel coletivo, no que diz respeito a necessidade de adotar um estilo mais ativo e implicitamente menos sedentario, esta decisao representa uma opcao da pessoa, mas com reflexos para o coletivo. Neste sentido falar em qualidade de vida significa adotar medidas educacionais, sistematicas e incentivadoras.

A atividade fisica na terceira idade pode trazer beneficios, tanto fisicos como sociais e psicologicos, contribuindo assim para um estilo de vida mais saudavel dos individuos que a praticam, pois exercicios de mobilidade e tecnicas corporais podem ser de grande valia neste processo evitando as deformidades ou processos dolorosos.

Sendo assim, a pratica de atividades fisicas atua como uma medida preventiva de doencas reduzindo os fatores de risco, contribuindo tambem para uma maior autonomia funcional.

A conscientizacao da importancia da atividade fisica para pessoas da terceira idade, como prevencao de doencas, manutencao da saude ou reabilitacao, se traduz em um aumento da expectativa ajustada a qualidade de vida, refletindo em melhores anos vividos pela populacao da terceira idade, pois esta prevencao e bons e adequados habitos alimentares, junto a pratica de exercicio fisico regular, devem ser incentivados para a prevencao de maiores traumas.

Segundo Brotto (1997), importante se torna que a atividade fisica, sendo ela esportiva ou recreativa, seja praticada de forma prazerosa, sem excessiva estimulacao competitiva, valorizando a cooperacao em detrimento da competicao, auxiliando o idoso com inumeros beneficios, como: combate a tensoes; combate ao isolamento, melhora da auto-estima, combate a depressao reforco da autoconfianca, melhora do funcionamento organico, desenvolvimento da coordenacao, concentracao e o equilibrio, desenvolvimento da forca, a resistencia e a mobilidade articular, favorecimento do relacionamento intra e interpessoal.

Assim sendo, atividade fisica na qual existe uma enorme possibilidade de inserir aspectos ligados a valores humanos e a saude ja acima mencionada se constituem em importantes instrumentos a serem desenvolvimentos, objetivando aumentar a expectativa de uma vida saudavel e a qualidade de vida para todas as pessoas que estao na terceira idade.

e necessario reforcar que alem de todos os beneficios que as atividades fisicas trazem para a terceira idade ja expostos ao longo do texto, a sua pratica regular traz consigo beneficios e faz com que sejam diminuidos os custos no sistema da saude atraves da diminuicao do sedentarismo que contribui tambem para o aumento da dependencia e da incidencia de doencas crônicas.

A produtividade da terceira idade tambem apresenta um aumento, pois como ja vimos, aumenta a independencia e com isso a sua participacao ativa na sociedade.

Este e um dos motivos que hoje para alem da preocupacao com a longevidade, ha cada vez mais a preocupacao com a qualidade de vida, e nao se trata so da ausencia de doencas fisicas que causam o mal-estar, mas, sobretudo a qualidade de vida em termos de bem-estar psiquico, e uma das principais qualidades de vida para a terceira idade que e estar bem relacionadas com seus familiares, isto e fundamental para que haja um conjunto de acoes e atitudes e assim tornando possivel prevenir ou minimizar o impacto das dificuldades e tambem estar intervindo em uma promocao da saude na terceira idade.

e certo que ao contribuir para uma mudanca saudavel de estilo de vida, se pode dizer que a qualidade de vida e um dos objetivos da vida humana mais desejada e perseguida por todos os individuos. Para as pessoas da terceira idade esta qualidade de vida nao depende apenas do passado, mesmo que tenha sido otimo; depende, sobretudo, do presente e de um horizonte de futuro, mesmo que seja com algumas limitacoes.

Com isto, quer-se afirmar que a qualidade de vida, nao esta isenta de uma caracterizacao social, mas, pelo contrario, o meio social tambem forja os padroes de entendimento do que seja considerado como um bom estilo de vida, ou ma vida de qualidade. E mais esses padroes e as definicoes sobre o que seja uma boa ou ma qualidade de vida, alem de dependerem da insercao do individuo em uma determinada classe social, comunidade ou grupo, que desenvolvem algum tipo de atividades para a terceira idade.

A mobilizacao da sociedade por meio de acoes preventivas, conscientizacao sobre a importancia do envelhecimento saudavel e a construcao de uma politica publica voltada para a terceira idade sao essenciais para se garantir dignidade e qualidade de vida ao idoso.


3. POLiTICAS PuBLICAS PARA OS IDOSOS

Conforme Pereira (2005), sao varias as evidencias empiricas que atualmente nos induzem se interessar pelos conteudos de politicas publicas voltadas para o fenômeno do envelhecimento. Dentre essas evidencias, tres merecem destaque e podem ser assim sintetizadas:

* O progressivo envelhecimento da populacao constitui um fenômeno sociopolitico inedito e sustentado, que produziu a seguinte reviravolta nos meios intelectuais e politicos contemporaneos: a partir de 1975, o interesse pelos assuntos gerontologicos tornou-se, pela primeira vez na historia da humanidade, tao relevante, que suplantou o dominio dos assuntos relacionados a infancia e a adolescencia, conhecidos como paidologicos, que vigorou por mais da metade daquele seculo;

* O surgimento de novas necessidades decorrentes do fenômeno do envelhecimento e das condicoes estruturais e historicas em que esse fenômeno e produzido,traz a tona o entendimento de que essas necessidades dizem respeito nao so a dimensao biologica, mas tambem psicologica, econômica, social e de cidadania das pessoas idosas;

* O reconhecimento de que as politicas, os servicos, as instituicoes e os agentes de protecao social convencionais nao mais respondem adequadamente a essas novas necessidades, exige a revisao dos compromissos com o bem-estar dessa parcela da populacao, tanto por parte do Estado quanto da sociedade.

Face aos novos riscos sociais, varios paises do mundo tem concluido que nao podem aumentar os gastos sociais frente a demandas cada vez maiores, que tendem a se concentrar em duas areas: na velhice, requerendo aumento de pensoes e aposentadorias, alem de despesas com saude; e no desemprego, exigindo uma variada gama de medidas de combate a pobreza e a ameaca de esgarcamento da coesao social. O problema e que essas demandas tendem a crescer continuamente porque o envelhecimento apenas comecou e a estabilidade do desemprego e da precarizacao do trabalho e uma realidade de dificil reversao.

Em vista desses fatos, os governos tem diminuido os seus compromissos com a efetivacao de direitos sociais, seja elevando a idade para o acesso a aposentadorias, seja aumentando a carga tributaria dos contribuintes ou, ainda, reduzindo o raio da protecao social publica, optando por politicas publicas focalizadas. Mas essas politicas publicas, ao restringirem o seu atendimento aos grupos mais pobres da populacao, deixam no desamparo segmentos socialmente vulneraveis que, por falta de recursos proprios, acabam por engrossar as fileiras dos mais pobres.

Este e o desafio do Beneficio de Prestacao Continuada (BPC), previsto na Constituicao Brasileira vigente e regulamentado pela Lei nº. 8.742, de 7/12/1993 (Lei Organica da Assistencia Social – LOAS), que, desde 1994, transfere ao idoso e a pessoa portadora de deficiencia, pobres, um salario minimo mensal – enquanto perdurar sua condicao de extrema necessidade.

O BPC consiste no pagamento de 01(um) salario minimo mensal a pessoas com 65 anos de idade ou mais, bem como a pessoas com deficiencia incapacitante para a vida independente e para o trabalho. Em ambos os casos a renda per capita familiar deve ser inferior a 1/4 do salario minimo.   O beneficio do BPC e gerido pelo Ministerio do Desenvolvimento Social e Combate a Fome (MDS), a quem compete sua gestao, acompanhamento e avaliacao. Ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), compete a sua operacionalizacao. Os recursos para custeio do BPC provem do Fundo Nacional de Assistencia Social (FNAS).

Um dos marcos foi tambem a regulamentacao da lei 8.842/94 que sancionou a Politica Nacional do Idoso (PNI) amplia significativamente os direitos dos idosos, ja que, desde as LOAS, as prerrogativas de atencao a este segmento haviam sido garantidas de forma restrita.

Outro marco dessas politicas que se destaca e o Estatuto do Idoso, em 2003, que estabelece direitos sociais e promove equidade em diferentes campos entre idosos e os demais membros da populacao, lhes conferindo cidadania e auto-estima, tambem elencando novos direitos e estabelecendo varios mecanismos especificos de protecao, os quais vao desde precedencia no atendimento ao permanente aprimoramento de suas condicoes de vida, ate a inviolabilidade fisica, psiquica e moral (CENEVIVA, 2004).

Segundo Uvo e Zanatta (2005), esse estatuto constitui um marco legal para a consciencia idosa do pais. A partir dele, os idosos poderao exigir a protecao dos seus direitos, e os demais membros da sociedade tornando mais sensibilizados para amparo dessas pessoas.

E, no que diz respeito a atencao a saude, a PNI estabelece como prioritarias medidas de prevencao e ampliacao de assistencia medica domiciliar, ao passo que o estatuto eliminou a discriminacao etaria exemplo este os planos de saude.

A PNI define a atuacao do governo, indicando acoes especificas das areas envolvidas com a finalidade de criar condicoes para que sejam promovidas a autonomia, a integracao e a participacao dos idosos na sociedade.

O proposito da PNI e 'a promocao do envelhecimento saudavel, a manutencao e a melhoria, ao maximo da capacidade funcional dos idosos, a prevencao de doencas, a recuperacao da saude dos que adoecem e a reabilitacao daqueles que venham a ter a sua capacidade funcional restringida, de modo a garantir-lhes permanencia no meio em que se vivem, exercendo, de forma independente, suas funcoes na sociedade'.

Cabendo aos gestores do SUS, de forma articulada e em conformidade as suas atribuicoes comuns e especificas prover os meios e atuar de modo a viabilizar o alcance destes propositos.

Para a viabilizacao foram definidas como diretrizes essenciais: a promocao do envelhecimento saudavel; a manutencao da capacidade funcional; a assistencia as necessidades da saude do idoso; a reabilitacao da capacidade funcional comprometida, a capacidade de recursos humanos especializados; o apoio ao desenvolvimento de cuidados informais; e o apoio a estudos e pesquisas.

O artigo 1 a PNI 'a politica nacional do idoso tem por objetivo assegurar os direitos sociais do idoso, criando condicoes para promover sua autonomia, integracao e participacao efetiva na sociedade'.

As politicas publicas, com direito dos cidadaos e dever do Estado, devem se pautar por garantias orcamentarias bem definidas, ter principios e objetivos claros, criterios transparentes e objetivos, alem de ser implementadas de modo continuo e sistematico, como resposta as necessidades sociais.

O processo de participacao dos segmentos sociais tem implicacoes historicas, em que os idosos estao diretamente envolvidos. Para que os movimentos de idosos tenham condicoes de dialogar com o poder publico e, a partir dessa relacao, criar estrategia para a conquista de direitos, e necessario que se incentive e fortaleca a pratica da participacao, fazendo com que os idosos exercam sua funcao social como cidadaos e suas acoes tenham influencia direta na esfera publica.

Quanto a saude, area que para o idoso e de fundamental importancia, ela precisa ser entendida de forma mais ampla, integral, por meio de formas de prevencao e programas que vao alem de simples intervencoes, estimulando a familia a cuidar de seus idosos, criando atendimento continuo e atendimento domiciliar, melhorando sensivelmente sua qualidade de vida e ainda diminuindo o custo com internacoes.

Ha, portanto, o reconhecimento por parte de algumas politicas publicas da necessidade de se incrementar a pratica de atividade fisica desta populacao. Entretanto, ainda sao escassas as intervencoes, servicos, espacos e equipes que promovem o reconhecimento que um estilo de vida ativo e fundamental na preservacao da saude e manutencao da capacidade funcional e independencia do idoso. e importante que o idoso incorpore, em seu modo de vida, habitos saudaveis atraves de informacoes e conteudos que sejam capazes de modificar e acrescentar atitudes favoraveis para a manutencao e prevencao de sua saude em seu significado mais abrangente (fisica, mental, emocional, social e espiritual).

Na carta de Ottawa (2001), dentre os cinco aspectos basicos a serem desenvolvidos para a promocao da saude, e mencionada a construcao de politicas publicas voltadas a saude, nas quais o objetivo maior e o de indicar aos dirigentes e politicos que as escolhas saudaveis sao as mais faceis de realizar.

Os programas de incentivos a pratica de atividades fisicas para esta populacao ainda sao escassos, pouco explorados em ambientes de promocao da saude, necessitando assim, maior atencao dos gestores, dos atendimentos em saude, dos programas em educacao em saude e da propria sociedade.

No municipio de Ibiracu, no momento, esta politica encontra grandes entraves em sua execucao, sendo o mais grave deles a deteriorada estrutura de saude publica, sem capacidade para atender a essa demanda que cresce a cada dia, numa visao abrangente a demasiadamente complexo um programa de saude para suprir a necessidade de uma realidade marcada pela iniqüidade social.

A subcondicao de vida de grande parte da populacao idosa – pobreza, discriminacao, isolamento social, dentre outros – reflete diretamente no aumento da demanda por saude.

O Ministerio da Saude assumiu a partir de 1994, a Estrategia de Saude da Familia (ESF), visando a organizacao do modelo tradicional por intermedio da reesquematizacao da atencao basica a saude. A proposta a uma nova dinamica para a organizacao dos servicos basicos da saude, bem como para a relacao com a comunidade e entre os diversos niveis de complexidade, assumido os compromissos (SILVESTRE; COSTA, 2003, p.19).

No entanto, o nosso contexto a atencao integral a saude precaria e desorganizada nao cria as condicoes para que os recursos sejam utilizados de uma melhor forma nao que com isso os gastos em saude com idosos deixem de ser mais elevados, estas preocupacoes sao crescentes para um envelhecimento saudavel determinante para que haja um objetivo em comum como a garantia da atencao integral a saude da populacao acima de 60 anos.

Cabe a todos aqueles que lidam direta ou indiretamente com o idoso, qualificacao de pessoal ou no suporte especializado as suas equipes, estarem atentos a permanente necessidade de capacitacao e formacao de seus profissionais, visando fazer com que a atencao basica a saude do idoso possa ser competente, competentes, humanizadas e resolutivas, realidade possivel e desejada por todos, gestores, docentes, profissionais.

Faz-se necessario, para os gestores no municipio de Ibiracu, que um novo olhar esteja voltado para esta tematica, haja vista que existe a urgencia de acoes, nao apenas curativas, mas principalmente preventivas, a fim de que o envelhecimento possa ser encarado de forma positiva, atrelando-o a uma boa qualidade de vida para a terceira idade.

Ao salientar que nosso pais e um vasto continente de pobres de todas as idades, com uma politica de saude caotica, com beneficios previdenciarios que ocupam o ultimo lugar e com um forte preconceito contra o idoso, nao e dificil presumir as dificuldades enfrentadas, principalmente pelos mais pobres.

Essa e realidade enfrentada por muitos idosos que tentam junto com a sociedade civil e o governo, se mobilizarem no sentido de construir politicas publicas e institucionalizar direitos no sentido de reduzir as desigualdades sociais experimentadas por esse segmento populacional.

Para enfrentar essa realidade, os idosos buscam fortalecimento no espaco publico gerado pelo movimento social, como foruns e conselhos de idosos, que lhes permitem se posicionarem pela concretizacao de ideais democraticos, como a conquista de sua cidadania, reinventando sua propria velhice (BREDEMEIRE, 2003, p. 84).

Apesar disso alguns idosos praticam de forma direta e indiretamente servico voluntario. Conforme Borges (2002), o Estado nao garante o acesso de uma populacao amplamente desprivilegiada, a exemplo a maioria dos idosos, aos servicos publicos que poderiam dignificar o seu cotidiano.

Portanto uma politica publica de atencao a saude do idoso deve ter proposito de promover no idoso, um estado de saude com finalidade de conseguir-se uma maxima expectativa de vida e que esta seja ativa, na comunidade, junto a sua familia com altos niveis de funcao e autonomia.

Nao basta apenas campanha de vacinacao, insercao em programas de diabetes, hipertensao, etc. para se afirmar que esta sendo dada uma atencao ao idoso. Estas intervencoes constituem apenas parte do atendimento da atencao basica em saude. e necessario, portanto, o estabelecimento de politicas mais complexas e incisivas, buscando olhar mais para este grupo, pois os mesmos constituem uma parcela significativa da populacao brasileira.

Para uma atencao integral a saude do idoso, faz-se necessario a insercao da familia no plano de cuidado e maior participacao no dia a dia do idoso, logo a familia e o segredo do individuo.

Todos os seres humanos precisam se comunicar e se relacionar uns com os outros e com o meio em que vivem. Pois uma parte da sociedade retrata os idosos como um fardo, chegando ate a compara-los com uma crianca abandonada, sendo que gera menos compaixao. O proprio Estado muitas vezes deixa de fazer sua parte que deveria ser a promocao de uma boa qualidade de vida para os idosos assim fazendo valer seus direitos.

Na sociedade oriental, o passado e venerado e a pessoa idosa tem alto valor social. Na sociedade ocidental, ha constantes mudancas: nelas ha a valorizacao do novo, do belo, do rapido. A pessoa idosa tem dificuldade de se adaptar socialmente e sentir-se util e de manter suas relacoes sociais num mundo tao acelerado.

De acordo com o Estatuto do Idoso (2006, p.11) art 10:

e obrigacao do Estado a da sociedade, assegurar a pessoa idosa a liberdade, o respeito e a dignidade, como pessoa humana e sujeito de direitos civis, politicos, individuais e sociais, garantidos na Constituicao e nas Leis.

e importante ficar claro que os idosos nao tem apenas direitos. Para existir uma convivencia harmoniosa e com respeito mutuo, e importante que sejam estabelecidos limites para ele, isso ajudar a ter uma rotina tranqüila e saudavel.

Com tudo isto necessita-se  que haja uma inclusao de toda a sociedade na promocao do 'idoso saudavel'; hoje se coloca nao so para a atencao do idoso enfermo, mas para as praticas de saude preventiva, apostando na prevencao de doencas e na adocao de habitos saudaveis, estas atividades podem ser planejadas e estimuladas para a importancia de se manter uma conexao com a vida diaria do idoso com grupos de discussao de fatos e eventos, leitura de jornais e revistas atualizadas.

Por tudo isto, torna-se fundamental a participacao da familia para o idoso se manter com sua autonomia e independencia.

De acordo com Santos (2001), a dependencia no envelhecimento pode estar um a um ou varios elementos como o aumento nas perdas fisicas e nas experiencias de incapacidade, falta de apoio e afeto familiar, o isolamento e solidao devido a perda de familiares e amigos, a inatividade proveniente da reforma ou perda da forcas, originando diminuicao dos rendimentos econômicos, a alteracao do estatuto e perda de prestigio e a passividade por nao ter compromisso. Estes e outros fatores provocam ansiedade e estresse, dai resultando o desequilibrio que da origem a problemas que podem se manifestar atraves de varios sinais e sintomas.


4. A IMPORTaNCIA DE ESPAcOS PARA A TERCEIRA IDADE

A questao dos espacos fisicos para o idoso e abordada a partir de uma das mais importantes constatacoes a cerca da composicao da populacao humana neste fim de seculo: aumenta em todo mundo o conjunto de pessoas com mais de 60 anos, reflexo direto do aumento da expectativa de vida humana. 

O ser humano e um ser reflexivo e pensante, mas tambem um ser ativo que precisa transformar seus impulsos internos em acoes.

Um idoso pode enfrentar o dilema de ter que decidir como ocupar seu tempo, mas nessa fase da vida o que ele mais precisa e se manter ativo. Ao levantar-se, empenhado em realizar todas as suas tarefas programadas e cuidando de tudo o que faz por si mesmo, o idoso se sentira bem e desta forma mantera sua autonomia, pois essas pequenas atividades motoras sao uma maneira eficaz para que o idoso se mantenha ativo e autônomo e se adapte efetivamente a tudo e todos que o rodeiam.

Entretanto o idoso tem poucos (por vezes, nenhum) espacos fisicos adequados para eles. Pois atraves da comunidade podem-se notar um crescimento de beneficios ligados diretamente a saude e a qualidade de vida na terceira idade, aumentando desta forma a socializacao do idoso.

Essas reducoes na quantidade dos espacos fisicos estao associadas ao agravamento que se da cada vez mais de reducao do espaco de uso publico, no conjunto das cidades, pois o poder publico tem recuado em seu papel de gestor e provedor de servicos, constituindo-se em depositario infiel do proprio patrimônio publico.

e preciso espaco fisico que incentivem uma vida comunitaria, que resgatem os ciclos de vida das pessoas idosas, que atraiam todas as geracoes e estendam a casa para rua. Espacos estes que seja extenso em que o lazer e colocado como diretriz-ativo/ou contemplativo, refletindo as necessidades comunitarias de recreacao e diversao, de todas as geracoes principalmente para a populacao idosa, parecem ser cabiveis em qualquer nucleo urbano, em qualquer plano de expansao dos gestores.

Em geral, sao muitas as atividades que podem ser preenchidas na vida dos idosos como, a aprendizagem de novos conhecimentos, a aplicacao do saber, a comunicacao com pessoas ao seu redor.

A falta de espaco fisico requer um grande esforco de compreensao e um desejo de colaboracao que nem sempre e compativel com as reais possibilidades de onde vivem estes idosos, pois muitas vezes o idoso nao tem onde passar suas tardes por falta de um local proprio ou ate mesmo de um projeto voltado para a importancia da promocao da educacao e da saude atendendo o idoso para transmissao de conhecimento pratico e cultural as novas geracoes. O Estatuto do Idoso (BRASIL, 2006, p.08) em seu 3º artigo garante a 'viabilizacao de formas alternativas de participacao, ocupacao e convivio do idoso com as demais geracoes'.

Porem, sao estes idosos que cada vez mais vem lutando por um espaco no poder publicos, ainda que em ONGS voltadas para o envolvimento do idoso na sociedade para desenvolver atividades que lhes permitam uma participacao ativa atraves da associacao em grupos que lhes proporcionam nao so o desenvolvimento da sociabilidade, mas tambem uma boa participacao no convivio com as demais geracoes e o acesso as informacoes que lhe deixem sintonizados com todas as formas de participacao e ocupacao na sociedade.

As atividades fisicas e de lazer sao concebidas de forma a suprir as necessidades especificas das pessoas idosas, assim, buscando dar novos contornos e ajudando a reverter a representacao negativa do idoso, reconstruindo seu espaco como cidadao na terceira idade.

Os idosos que freqüentam alguns tipos de espacos fisicos como: centro de convivencia, projetos de atividades fisicas, pracas ou ate universidades de terceira idade geralmente gozam de uma boa saude, querem uma velhice ativa.

4.1. ALTERNATIVAS

Embora seja reconhecida uma importancia dos espacos fisicos para os idosos no desenvolvimento, a leitura dos resultados de pesquisas anteriores aponta uma carencia de alternativas para estas pessoas, podendo apontar as seguintes:

Considerando a possibilidade de que o impacto na perda da qualidade de vida, especialmente no caso brasileiro, o que se pode chamar o desaparecimento das pracas.

As pracas sao espacos fisicos para os idosos, e seu progressivo desaparecimento por falta de manutencao ou por puro descaso do poder publico, pelas precarias parcerias mantidas com o setor privado e tambem o vandalismo.

De acordo com Prata (apud DEBERT, 1999), no Brasil houve um surgimento de programa voltado ao idoso, como ‘'Grupo de terceira idade'', ''Universidades para a terceira idade'', ''Grupo de Convivencia de Idosos'', etc., tendo como objetivo encorajar o idoso na busca da autoconfianca e do autoconhecimento, dando suporte para enfrentar a dificuldade do seu dia a dia, como a diminuicao de habilidades cognitivas baseadas no uso da linguagem e na capacidade de comunicacao, vitais para uma pessoa se tornar autônoma e aceita. Faz parte dessa autoconfianca o controle fisico, ou seja, a necessidade de controlar os movimentos do corpo, os movimentos dos nossos membros, rosto e cabeca, o grau de capacidade motora que envolve sentar, ficar de pe e andar, tanto quanto a capacidade de conter e reter os fluidos corporais.

O Centro de Convivencia e uma das alternativas de espaco fisico para os idosos, pois, ele pretende promover o desenvolvimento de atividades socio-recreativas e culturais destinadas aos idosos de uma determinada comunidade. Proporciona tambem a deslocacao da sua residencia habitual, permitindo deste modo um contato com o meio social diferente, promovendo a troca de experiencias, que quebram ou reduzem o freqüente isolamento.

Os Centros de Convivencia realizam diversas atividades com o objetivo de integrar esses grupos da terceira idade, atraves de passeios culturais e turisticos e participam dos encontros regionais da terceira idade, coral, teatro, campeonatos de jogos de mesa (baralho, domino, xadrez e dama) as mulheres tem oficinas de artesanato como: bordado, croche, confeccoes de toalhas de banho, rosto de mesa e de pano de prato. Em datas comemorativas como Festa de Aniversarios, Dia das Maes e Dia dos Pais o centro oferece um almoco e bolo, alem dos bailes periodicos, concurso de Miss e Mister da terceira idade, tarde de cinema entre outras atividades.

Existe outra alternativa de espaco fisico para idosos que sao alguns grupos que desenvolvem atividades fisicas, pois esta associada com a melhora da saude e alem de proporcionar integracao e socializacao e a insercao em um grupo social sao alguns exemplos dos beneficios sociais ligados a pratica de atividades fisicas que comportam um conjunto de atividade que pretendem satisfazer as necessidades de lazer e quebra a rotina, proporcionando ao idoso um equilibrio fisico, psiquico, emocional e social.

Os projetos de atividades fisicas trazem como beneficios a maior participacao dos idosos, tornando-os com mais auto-estima e com maior independencia alem de promover a sociabilidade, conscientizando-os de suas possibilidades criativas e intelectuais. Promovendo tambem mudancas corporais, melhora a auto-estima, a autoconfianca e a afetividade, aumentando a socializacao.

As universidades abertas para a terceira idade surgiram na Franca em 1973, mas no Brasil esse modelo so se iniciou em Florianopolis em 1982. A partir dessa experiencia, muitos outros programas comecaram a ser implantados, gerando novas experiencias adaptadas as necessidades e aos recursos disponiveis nas diversas regioes dos pais.

Tem sido um marco importante na consolidacao de um modelo para a criacao de outras experiencias destinadas as pessoas idosas, alem de ser um espaco voltado para estas pessoas, o programa funciona integrando ensino, pesquisa, assim estimulando a reinsercao social dos idosos.

A universidade nao podera procurar solucao para todos os problemas, mesmo porque a maioria foge a sua responsabilidade, mas seria inadmissivel que ela ignorasse a ajuda que podera colocar a disposicao de todo aquele imenso grupo de pessoas aposentadas (...) que poderiam encontrar na universidade nao um lugar de passatempo e de boa vivencia, mas um ambiente serio de trabalho e de estudo em disciplinas que estariam a sua livre escolha ou em cursos regulares organizados de acordo de acordo com esse tipo de populacao estudantil (PIQUET CARNEIRO, 1989, p.4).

No Brasil, apos um periodo de experiencia e aprendizagem com as atividades de educacao para os idosos, tem-se buscado consolidar e ampliar os objetivos desses programas em consonancia com as diretrizes maiores de educacao nacional, mesmo com todas as dificuldades de um pais ainda em crescimento populacional onde a educacao nao e prioridade para o conjunto da sociedade.

Kruger (1996), discutindo os objetivos sociais e institucionais das universidades abertas para a terceira idade, nos diz que e fundamental que esses projetos estejam em consonancia como os objetivos maiores da universidade brasileira e que funcionem de forma integrada. E, segundo o autor, se justificam pelo aumento da expectativa de vida, pelo crescimento cultural das sociedades contemporaneas, sobretudo nas economicamente desenvolvidas, e pelas profundas mudancas em escalas de valores socialmente aprovadas.

Estes espacos universitarios devem conter educacao permanente, preparando os idosos para intervir nos problemas da sociedade. As universidades para terceira idade, alem dos tradicionais objetivos de ensino, pesquisa e extensao que se impoem a uma universidade, ha um outro espigueto que poderia ser somado aos demais: o da convivencia entre geracoes, uma vez que a universidade e um espaco no qual convivem pessoas de geracoes diferentes construindo conhecimento.

Percebemos que os programas de universidade de terceira idade tem propiciado a redescoberta de potencialidades adormecidas ou tem criado novas possibilidades para os idosos, sendo estas questoes relativas ao sentimento de auto-estima e as novas possibilidades de ocupacao de tempo livre. No ambito da educacao, para esta participacao tem sido dada enfase ao exercicio de pequenas acoes que envolvem os alunos idosos como sujeitos multiplicadores dos conhecimentos adquiridos quanto as politicas publicas e os direitos sociais deste segmento.

5. METODOLOGIA

Este capitulo envolve a metodologia utilizada no presente estudo, ou seja, como a pesquisa foi feita, sua abrangencia, as fontes e os instrumentos de coleta de dados, como sao tratados os dados, e por fim, os procedimentos de analise dos resultados.

5.1 CLASSIFICAcaO DA PESQUISA

Esta pesquisa se apresenta como qualitativa, embora apresente valores quantificaveis – como qualquer pesquisa de campo. O metodo qualitativo difere do quantitativo a medida que nao emprega um instrumento estatistico como base de processo de analise de um problema, nao pretendendo numerar ou medir unidades ou categorias homogeneas. Este trabalho visa investigar uma realidade ainda nao observada, qual seja, a percepcao dos idosos de Ibiracu sobre sua qualidade de vida. Embora o municipio de Ibiracu seja alvo de diversas pesquisas acerca de variados temas, ate o momento nao existem estudos que abordem o tema proposto por esta investigacao. Desta forma, pode-se dizer que este estudo e exploratorio e descritivo, pois, de acordo com Vergara (2000), a pesquisa exploratoria acontece quando nao existem estudos anteriores sobre o assunto, sendo seu objetivo o levantamento das primeiras informacoes para que estudos mais aprofundados sejam realizados. A pesquisa descritiva, por sua vez, nao apresenta interferencia do pesquisador, que procura descobrir a freqüencia com que um fenômeno ocorre, sua natureza, caracteristica, causas, relacoes e conexoes com outros fenômenos.

Esta pesquisa, no que diz respeito aos meios de investigacao, buscou referencias bibliograficas (fundamentacao teorica) sobre o assunto pesquisado, para, apos conhecer o que se sabe sobre o assunto, buscar respostas para o que ainda nao se conhece, atraves de uma pesquisa de campo.


5.2 PARTICIPANTES

Para buscar respostas sobre a percepcao dos idosos de Ibiracu acerca de sua qualidade de vida, foram entrevistadas 15 pessoas, com idades entre 60 e 75 anos na epoca da entrevista, residentes no municipio de Ibiracu, regiao Norte do Espirito Santo. O numero total de 15 participantes se deve as dificuldades na realizacao das entrevistas (incompatibilidade de horarios, indisposicao em participar da pesquisa, desconfianca generalizada, entre outras). A amostra, distribuida por genero, se compoe de 07 homens e 08 mulheres.

A entrevista teve como foco principal a forma como os idosos avaliam as condicoes de que dispoem para buscar uma maior qualidade de vida. Uma vez que esta investigacao visa descrever como os idosos em questao se utilizam de duas alternativas disponiveis – a saber, o Centro de Convivencia Renato Batista e o Projeto de Atividade Fisica do municipio de Ibiracu – ES.

5.3. TeCNICA DE COLETA DE DADOS

Antes da realizacao da pesquisa atraves de entrevistas, foi realizado um levantamento bibliografico que se estendeu durante todo o processo de pesquisa deste trabalho.

As informacoes, que fazem a sustentacao deste trabalho, foram adquiridas atraves de levantamento bibliografico realizado na biblioteca da Faculdade Metodista do Espirito Santo e na Universidade Federal do Espirito Santo, bem como pesquisas na internet.

Partiu-se a seguir para as entrevistas realizadas com os idosos que freqüentam o Centro de Convivencia Renato Batista e o Projeto de Atividade Fisica no Municipio de Ibiracu-ES,para a realizacao desta pesquisa a Coordenador  do Centro de Convivencia conversou com os idosos sobre a pesquisa e pediu a colaboracao de todos, quando foi pedido voluntarios cinco que estavam dancando assim que parou a musica se aproximaram e outros estavam timidamente sentados conversando tambem se aproximaram,no Projeto de Atividade Fisica a Fisioterapeuta que organiza o grupo dias antes ja tinha conversado sobre a realizacao da pesquisa foi feito o alongamento de costume antes do exercicio para depois ser feito as perguntas. A analise dos dados realizou-se posteriormente a tabulacao do questionario, sendo as consideracoes finais feitas a partir desta analise, procurando confronta-las com o conteudo desenvolvido no capitulo anterior (referencial teorico) com o intuito de tornar o trabalho o mais conciso possivel.

5.4. INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS

Existem diversos instrumentos de coleta de dados que podem ser utilizados para obter informacoes acerca de grupos sociais, sendo eles: o questionario, a entrevista. Fichas, etc.

No presente estudo, foi utilizado o questionario, no qual podem ser classificados em questionarios de perguntas fechadas; questionarios de perguntas abertas; e questionarios que combinam ambos os tipos de perguntas.

Segundo Richardson (1999), nos questionarios de perguntas fechadas as categorias ou alternativas de respostas sao fixas e preestabelecidas, tendo o entrevistado que responder as alternativas que mais ajustar a sua caracteristica, ideia ou sentimento.

Ja no questionario de perguntas abertas, o entrevistador e levado a responder com frases ou oracoes.

Nota-se, segundo Richardson (1999), que o questionario e o instrumento mais utilizado pelos pesquisadores, que tambem sera instrumento de coleta de dados neste trabalho, com perguntas abertas e fechadas, tornando a pesquisa com maior poder de exatidao, uma vez que tera como obter informacoes sobre a opiniao e o motivo da mesma. 

5.5. PROCEDIMENTOS DE ANaLISE DOS RESULTADOS

Apos a coleta, codificacao e tabulacao dos dados, estes foram analisados atraves da interpretacao dos questionarios aplicados junto aos idosos que freqüentam o Centro de Convivencia Renato Batista e o Projeto de Atividade Fisica.

Segundo Gil (1999, p. 185):

Nao existem normas que indiquem os procedimentos a serem adotados no processo de interpretacao e analise dos dados. O que existe sao recomendacao acerca dos cuidados que devem tomar os pesquisadores para que a interpretacao nao comprometa a pesquisa.

A interpretacao dos dados normalmente e realizada atraves de uma relacao entre os dados empiricos e a teoria, para uma maior sustentabilidade da ideia almejada. De acordo com Merton (apud GIL, 1999, p. 186), quando esta nao se apoia em teorias suficientemente confirmadas, lancam-se 'raios de luz no obscuro caos dos materiais'. Porem, quando as teorias nao apresentam mais que um ligeiro grau de comprovacao, explicacoes que se seguem produzem uma falsa sensacao de adequacao a realidade.

Neste estudo, fez-se necessario um confrontamento de dados, para que fosse possivel chegar ao objetivo geral. Importante frisar ainda que os dados foram analisados eticamente.

6. A QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE: A PERCEPcaO DOS IDOSOS DE IBIRAcU

Depois de analisados, os resultados foram discutidos, onde procurou-se confrontar teoria e pratica, tendo em vista que esta correlacao viabiliza uma discussao mais adequada em relacao a busca pelo alcance dos objetivos inicialmente propostos.

Quando perguntados acerca de sua idade, 40% afirmam possuir idades entre 60 e 64 anos. Tal fato chama a atencao, uma vez que quase a metade da amostra pesquisada pode ser classificada como no inicio da terceira idade, o que permitiria a eles uma participacao mais ativa na busca de uma maior qualidade de vida. Se esta maior possibilidade de busca ativa por qualidade de vida se traduz em realidade, e tema para discussoes posteriores, e este assunto sera retomado mais adiante.

Pode-se observar que os idosos entrevistados dispoem de pouca instrucao, uma vez que unindo os semi-analfabetos (que conseguem escrever apenas o nome) e iletrados temos um percentual de 47%, enquanto apenas 13% conseguiram concluir o ensino fundamental, sem, no entanto, finalizar o ensino medio, como demonstrado na tabela a seguir:

ESCOLARIDADE

V. ABSOLUTO

V. RELATIVO (%)

Iletrado

04

27

Semi-analfabeto

03

20

Ensino Fundamental Incompleto

03

20

Ensino Fundamental Completo

03

20

Ensino Medio Incompleto

02

13

TOTAL

15

100%

TABELA 1:

Escolaridade dos idosos

O Grafico 2 demonstra o (des)conhecimento acerca do Estatuto do Idoso, e mais amplamente, sobre os direitos dos idosos. A maioria dos entrevistados (67% dos casos) afirma nao conhecer o Estatuto do Idoso, enquanto alguns dos que disseram conhece-lo afirmam que apenas 'ja ouviram falar', demonstrando uma falta de informacao (total ou parcial) no universo pesquisado.

'Sei que nos temos preferencia nas filas, um lugar nos ônibus e passagem'. C.R.T., 64 anos, Centro de Convivencia Renato Batista de Ibiracu.

Tal falta de informacao pode ser creditada a falta de instrucao dos participantes, mas esta nao pode ser encarada como a unica causa para o desconhecimento de seus direitos fundamentais. A desinformacao acerca dos direitos fundamentais nao e exclusiva dos idosos nem das pessoas com pouca instrucao; de fato, poucas pessoas efetivamente conhecem seus direitos, e menos ainda buscam seus direitos, garantidos na Constituicao Federal. Inumeras estrategias para dificultar o acesso a informacao podem ser levantadas aqui, mas elas fogem ao escopo deste trabalho. Desta forma, cabe a sugestao para pesquisas futuras sobre o tema, uma vez que o acesso a informacao e o primeiro passo para a conscientizacao e conseqüente busca por mudancas. Assim o estatuto do idoso vem reforcar os direitos garantidos na CF de 88

A questao da viuvez, embora pareca carecer de relevancia para o tema pesquisado, afeta os idosos na medida em que, alem da perda do ente querido, perde-se tambem o (a) companheiro (a) que poderia auxiliar o idoso em suas tarefas diarias. Quando questionados sobre quem os ajuda nas tarefas do dia-dia, 80% dos entrevistados afirmam obter ajuda da familia, sendo que o grau de parentesco do cuidador e variado: 27% sao filhos, 13% cônjuges, e 40% dos participantes nao especificaram o grau de parentesco.

A relacao com os cuidadores (pessoas que nao apresentam nenhum grau de parentesco com os idosos, mas que respondem pelos cuidados basicos em relacao a estes) e apontada como boa por todos os participantes que dependem destes cuidadores (20% da amostra). Esta percepcao da relacao com os cuidadores difere da que os demais participantes afirmam ter com seus familiares, e que sera demonstrada no Grafico 5.

Em relacao a visao da sociedade sobre o idoso, as respostas foram agrupadas em termos de aspectos positivos ou negativos, ou ainda indiferentes. Pouco mais da metade dos respondentes afirma que a maioria das pessoas tem uma visao negativa acerca do idoso:

'Acredito que eles nos veem como um estorvo, um problema, e nos tratam com muita discriminacao' (M.P.P.B., 68 anos, Grupo de Atividade Fisica 'Eu participo' de Ibiracu).

Por outro lado, 27% dos respondentes acreditam que a sociedade avalia o idoso de maneira positiva, contribuindo assim para uma valorizacao do idoso na nossa cultura:

'Os jovens estao nos olhando como pessoas com uma enorme experiencia de vida e que temos nosso valor, estamos envelhecendo, mas nao deixamos de ser feliz (sic)'. I.P.S.R. 71 anos, Grupo de Atividade 'Eu participo' de Ibiracu.

Percebe-se neste ponto uma disparidade entre as respostas obtidas. Provavelmente as diferencas nas respostas dos idosos se devam a experiencias pessoais: se um individuo, por ser idoso, e bem tratado, valorizado e querido, e provavel que ele generalize sua visao positiva para toda a sociedade, ao passo que um individuo que sofre preconceito e e desvalorizado por ser idoso provavelmente avaliara a visao de toda a sociedade como negativa.

Outra questao que trouxe resultados interessantes nesta pesquisa foi: o que ha de positivo em ser idoso nos dias de hoje?

e dificil, porque as pessoas nao dao o devido valor, para o idoso que nao tem Sofrimento, pois temos que depender da boa vontade dos outros.

Ao abordar o assunto do que ha de positivo ao chegar a terceira idade, a maior quantidade de respostas (36% dos idosos) aponta a experiencia de vida, uma dadiva que so se pode descrever e contar aquele que consegue chegar e aproveitar todas as suas conquistas, aprendizado adquirido ao longo do caminho percorrido na vida. Varios fatores contribuem para esta experiencia de vida: vivencia familiar, amigos e trabalho, pois a historia de vida de cada pessoa e unica, por mais que as pessoas convivam juntas e impossivel que as duas carreguem a mesma historia. Para 7% dos participantes, a familia e vista como uma positividade, enquanto para outros 7% a vida pratica e as facilidades que a idade avancada proporcionam sao o bastante. Para outros 29% o ato de ensinar, e passar adiante o que sabem, e o aspecto mais positivo em ser idoso, aspecto este diretamente ligado a experiencia de vida: e exatamente esta experiencia que os credencia a passar adiante o que sabem.

Contudo, o dado que mais chama a atencao e nos faz refletir nesse contexto e o fato de que para 21% dos idosos participantes dessa pesquisa nao ha nada de positivo em suas vidas por serem idosos. Esta resposta indica a assuncao de um papel de vitimizacao pela sociedade, ate mesmo pela familia e levando-os a acreditar que a vida acabou. A situacao mais provavel e que hajam aspectos positivos em suas vidas, mas ou os idosos em questao nao os percebem, ou preferem ignora-los, mantendo uma postura de vitimas do mundo, como se este lhes devesse algo por seus servicos ao longo de sua vida.

A maior parte dos entrevistados (28%) menciona medicos e remedios como fundamentais para uma boa saude. Contudo, sera que isto e mesmo preciso para ter uma boa qualidade de vida, pois 72% relatam que uma boa alimentacao, atividades fisicas, lazer, boa convivencia familiar e evitar remedios sao pre-requisitos para a busca da qualidade de vida.e dever do poder publico preocupar-se com uma politica que priorize acoes que estimule e beneficie o idoso, nos segmentos da cultura, lazer, esporte e educacao, tendo como meta a promocao da cidadania na terceira idade, preparando-os para uma maturidade e vida felizes, e ainda, proporcionar uma maior integracao entre os idosos, oferecendo oportunidades do descobrimento de mais fontes de satisfacao de vida, atraves do entretenimento e do lazer, motivando-os ao convivio social, descobrindo valores e estimulando-os a uma melhor qualidade de vida, pois e necessario nao sentir a presenca da velhice como uma decadencia. Pode-se permanecer jovem fisica e intelectualmente, atraves de varios meios, cuja eficacia e conhecida: vigiando a saude, alimentacao adequada, exercicios fisicos, manutencao das faculdades intelectuais. Enfim, conservar um pensamento atento, positivo e otimista e escolher permanecer jovem na velhice.

No questionamento sobre a importancia de espacos para os idosos, 52% dos entrevistados relatam a importancia de locais apropriados para atividades fisicas e convivencia, e se juntarmos com os locais de aprendizagem, o percentual aumenta para 76%. Infelizmente, somente 12% citam a responsabilidade dos gestores municipais e estatais nesse item, o que leva a pensar em como a populacao idosa nao esta atenta aos seus direitos. Pois considerando a lei 8842/94, que dispoe sobre a politica nacional do idoso que tem por objetivo assegurar seus direitos, criando condicoes para promover sua autonomia e participacao efetiva na comunidade. E ai ate mesmo os conselhos municipais estarem atentos junto aos idosos na busca de requisitar aos gestores o que efetivamente falta para essa populacao.

Quando questionados sobre a realizacao de atividade fisica, 34% afirmaram praticar alguma atividade fisica, porem nao devidamente acompanhados por um profissional formado em educacao fisica. O que ocorre e que muitas vezes uma tecnica de enfermagem vai ate o local para aferir a pressao dos participantes do Projeto de Atividade Fisica, sendo o mesmo um projeto apoiado pela secretaria de saude do municipio. Alem da falta de recursos humanos, o projeto acontece em um local nao muito apropriado, sem infraestrutura adequada para o publico que utiliza as instalacoes. Se por um lado ja existem avancos, por outro ainda ha muito a fazer.

No que diz respeito quando questionados em relacao ao lazer, 21% citam o Centro de Convivencia, pois freqüentam para sairem de casa e conversarem com amigos. Vinte por cento dos participantes responderam forro pois gostam de se distrair com a danca sendo que muitos desses sao socios em outros municipios vizinhos, como por exemplo Aracruz, pois os funcionamentos sao em dias diferentes e assim podem aproveitar para passear. Outros 21% responderam jogos de bocha, pois geralmente sao feitos campeonatos e assim os idosos podem mostrar que sao bons neste esporte sendo o unico que tem para eles no momento no municipio. Esta realidade e bem diferente da encontrada no municipio vizinho, que estimula o esporte na terceira idade. A atividade fisica, apesar de praticada, ficou com apenas 11%, pois muitos fazem caminhadas por indicacao do medico por fazer bem a saude.

Ao serem questionados acerca do que o municipio de Ibiracu oferece a populacao idosa, 22% dos idosos relataram que o municipio de Ibiracu oferece um bom servico de saude com bons medicos, enfermeiros e outros profissionais, pois muitos idosos acham que a ida periodica a Unidade de Saude e muito importante. Participar de grupos de atividade fisica contribui para o aumento da rede social e do autocuidado, o que permite ao idoso uma nova visao do processo do envelhecimento. A relacao entre a imunologia e o exercicio fisico tambem e importante esta com os exames, consultas e vacina. E o restante os idosos questionados falam da importancia do lazer/conviver, atividade fisica; Contudo, embora tenham apontado anteriormente o que lhes falta em Ibiracu, poucos participantes (apenas 6% da amostra) sugerem algo, como um parque ou pracas adequadas para estimular os jogos como dama, domino, etc. Pode-se perceber uma compreensao ideologicamente limitada da realidade, uma vez que, apesar de perceberem que lhes faltam muitas coisas, nao ha organizacao politica desta parcela da populacao para fazer valer seus direitos. A nao organizacao desta populacao tem mais a ver com falta de percepcao da real situacao do que com falta de vontade ou de organizacao politica. Assim, conscientizar esta populacao deve ser sempre um dos objetivos de qualquer acao voltada a estas pessoas.

Por sua vez, neste questionamento, 23% acham que a boa convivencia familiar e fundamental para se obter uma boa qualidade de vida, pois o suporte familiar e muito importante. Outros 17% responderam que a alimentacao/saude e fundamental, pois uma boa alimentacao influencia positivamente na qualidade de vida, considerando que uma ma alimentacao nos idosos e o surgimento dos problemas na dinamica alimentar, o ato de comer e um dos maiores prazeres experimentados pelo ser humano, uma boa alimentacao desempenha papel primordial no bem estar do idoso e nao podendo ser separado da boa saude, pois uma boa alimentacao vem acompanhada de uma otima saude. E vale lembrar que uma alimentacao correta e um dos fatores que tem maior influencia na saude e no bem estar. A mesma quantidade de respondentes (17%) acham importante a casa propria/renda digna muitos nao querem ser dependentes dos filhos morarem de favor, acham que tendo sua casa nao vao incomodar e a renda e uma coisa vergonhosa para tem trabalhou ate os 60 anos e muitos que trabalham assim, pois a renda e pouca nao da para viver dignamente. Por fim, 17% colocam que o lazer e a atividade fisica sao aspectos fundamentais a qualidade de vida. Ressalta-se aqui, para os aspectos fundamentais a qualidade de vida, que 13% dos entrevistados pontuou o

respeito

como um dos fundamentos, pois o respeito deixou de fazer parte do crescimento familiar e social. Hoje, tudo esta mudado; o respeito, bem como outros comportamentos, necessarios dentro da familia e da sociedade, deixaram de fazer parte do crescimento e desenvolvimento.

Percebe-se, assim, que esta populacao aponta varias questoes fundamentais para se ter qualidade de vida, nem todas satisfeitas pelo poder publico. As Organizacoes Nao Governamentais (ONG's), associacoes de moradores, e mesmo iniciativas de empresas privadas vem tentando suprir esta falta, mas numa populacao que cresce a cada ano, estas acoes ainda sao nitidamente insuficientes. Ademais, estas iniciativas so surgem na ausencia (ou descaso) do Estado. Assim, exigir do poder publico acoes efetivas para esta parcela da sociedade e tarefa de todos nos, seja por exigencia da profissao, seja pela cidadania que todos almejamos.


7. CONSIDERAcoES FINAIS

Este estudo, ao abordar a importancia da qualidade de vida na terceira idade, nos permite tecer consideracoes sobre uma boa qualidade de vida de interacao entre pessoas em mudancas, vivendo numa sociedade tambem em mudancas, contribuindo para o bem estar do idoso e sua satisfacao na velhice assim dependendo da capacidade de manter ou restaurar o bem estar.

e um processo de delicado equilibrio entre limitacoes e potencialidade do idoso o qual lhe possibilitara lidar com diferentes graus de eficacia que inclui qualidade de vida e realizacao pessoal, com as inevitaveis perdas do envelhecimento.

O resultado deste estudo e passo fundamental para termos conhecimento do que e uma boa qualidade de vida em todos os aspectos.

Inumeras sao as estrategias para dificultar o acesso a informacao que podem ser levantadas aqui, mas elas fogem ao escopo deste trabalho. Desta forma, cabe a sugestao para pesquisas futuras sobre o tema, uma vez que o acesso a informacoes e o primeiro passo para a conscientizacao e conseqüente busca por mudancas.

Muito embora, devido a dificuldades em conhecer e buscar individualmente seus direitos cabe apontar a possibilidade de implantacao de uma campanha informativa sobre os direitos dos idosos. Que por sua vez sao, em grande parte, analfabetos, o que dificulta a compreensao dos referidos direitos. Diante deste fato fica visivel a situacao de vulnerabilidade em que estes idosos se encontram.

Acreditamos tambem que a longo prazo os gestores do municipio criem junto a entidades projetos, programas voltados para os idosos pois esta e uma demanda que cresce a passos largos, e todos devem se adaptar.

As caracteristicas desta adaptacao a velhice que leva a uma vida satisfatoria sao: longevidade, boa saude biologica e mental, competencia social, produtividade, atividade fisica, renda, afeto dos familiares e ocupacionais e amigos, continuidade de papeis familiares.

As principais caracteristicas comuns encontradas para uma boa qualidade de vida entre os idosos foram: a saude, a seguranca do lar, a valorizacao dos amigos e principalmente da familia.

e necessario ressaltar a importancia da relacao familiar para o bem estar na velhice enfatizando que as relacoes familiares ainda sao fundamentais na assistencia ao idoso e nas expectativas em relacao ao processo de envelhecimento. Mesmo com o fato de o idoso viver com os filhos, nao sao garantidas a presenca do respeito nem ausencia dele.

8. REFEReNCIAS

BELASCO, A.; SESSO, R. Qualidade de vida: Principios, Focos de Estudos e Intervencoes. In: DINIZ, D.; SCHOR, N.

Guia de qualidade de vida.

Sao Paulo: Manole, 2006.

BORGES, C.M.M. Gestao participativa em organizacao de idosos: instrumento para a promocao da cidadania. In: FREITAS, E.V.

Tratado de geriatria e gerontologia

. Rio de Janeiro: Guanabara, 2002.

BRASIL.  Ministerio da Saude.

Estatuto do Idoso.

2.ed. Brasilia: Ministerio da Saude, 2006.

BRASIL. Ministerio da Saude.

Projeto Promocao da saude:

Carta de Ottawa. Brasilia: Ministerio da Saude, 2001.

BREDEMEIRE, S.M.L.

Conselho do idoso como espaco publico

. Revista Servico Social e Sociedade, ano XXIV, n.75, 2003.

BROTTO, F.O.

Jogos cooperativos:

se o importante e competir, o fundamental e cooperar. Sao Paulo: Re-Novada, 1997.

CENEVIVA, W. Estatuto do Idoso, Constituicao e Codigo Civil:

a terceira idade nas alternativas da lei

. A terceira Idade, v. 15, n.30, 2004.

DEBERT, Guita Grin.

A reinvencao da velhice.

Sao Paulo, EDUSP, FAPESP, 1999.

DELIBERATO, P.

Fisioterapia Preventiva

– Fundamentos e Aplicacoes. Sao Paulo: Manole, 2002.

DUCKEN, A.P.

Saber envelhecer

(C.M.T. DE Lyra Tredes). Petropolis: Vozes, 1998.

FERREIRA, P.L.

Um novo paradigma para a saude

. Sao Paulo: Cortez. 1994.

GIL, Antonio Carlos.

Metodos e tecnicas de pesquisa social

. Sao Paulo: Atlas, 1999.

PEIXOTO, Clarice Ehles (org.).

Familia e envelhecimento

. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

PEREIRA, Potyara Amazoneida Pereira.

Formacao em Servico Social

,

Politica

Social e o fenômeno do envelhecimento

. Palestra proferida no Seminario sobre Educacao Superior e Envelhecimento Populacional no Brasil, 2005, Brasilia. Disponivel em: http://portal.mec.gov.br/sesu/inde. Acesso em 10 de set. de 2008.

PONT GEIS, P.

Atividade fisica e saude na terceira idade

: teoria e pratica / Pilar Pont Geis; trad. Magda Schwartzhaupt Chaves. - 5. ed. - Porto Alegre: Artmed, 2003.

RICHARDSON, Roberto Jarry et alii.

Pesquisa social:

metodos e tecnicas. 3 ed. Sao Paulo: Atlas, 1999.

SANTOS, P.

Para a avaliacao das atividades de vida diaria.

2. ed., Coimbra, 2001.

UVO, R.T.; ZANATTA, M. DE L.A. L. O ministerio publico na defesa dos direitos do idoso.

A Terceira idade

, v.16, n.33, 2005.


ANEXOS

Anexo 1: TERMO DE CONSENTIMENTO PARA PARTICIPAcaO EM PESQUISA



Titulo da Pesquisa: QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE: UM ESTUDO NO MUNICiPIO DE IBIRAcU-ES.
Pesquisadora: Camila dos Santos Menezes

Orientador: Prof. Bruno Eduardo Silva Ferreira

Instituicao: Faculdade Metodista do Espirito Santo


Objetivo da Pesquisa: Investigar alguns aspectos referentes a qualidade de vida na terceira idade.
Descricao do Procedimento: Sera realizada uma entrevista individual com cada participante sobre aspectos de suas relacoes com sua familia, sua qualidade de vida. As entrevistas individuais serao gravadas e posteriormente transcritas. Apos a transcricao das entrevistas, as fitas onde as mesmas estarao gravadas serao destruidas, visando o anonimato dos participantes. O participante, caso nao se sinta a vontade para tanto, pode nao responder a qualquer questao efetuada pelo pesquisador.

Beneficios: a pesquisa visa obter informacoes sobre as relacoes que a terceira idade tem com sua familia, sua saude, e tambem conhecer alguns espacos fisicos para a terceira idade, permitindo um maior conhecimento sobre essas relacoes visando a melhoria da qualidade de vida dos participantes.
Analise de riscos e sigilo: todo o procedimento de pesquisa descrito obedecera rigorosamente aos criterios eticos estabelecidos na resolucao 196/96 e suas complementares, que regulamenta a pesquisa com seres humanos. As entrevistas individuais seguirao tecnica cientificamente reconhecida e serao realizadas em ambientes acordados com os participantes. Serao preservados o sigilo das informacoes e a identidade dos participantes, sendo que os registros das informacoes poderao ser utilizados para fins exclusivamente cientificos e divulgacao em congressos e publicacoes cientificas, resguardando-se sempre o anonimato dos participantes. O participante (ou seu responsavel) tera a liberdade de interromper ou desistir de sua participacao em qualquer fase da pesquisa. Duvidas, informacoes suplementares e esclarecimentos serao fornecidos a qualquer momento aos participantes ou seus responsaveis pela pesquisadora.
Nome:  _________________________________________________________

Data de nascimento: ___/___/___.                                RG: _______________ 

Estando de acordo, assinam este termo de consentimento em 02 (duas) vias.

__________________________           ______________________________

                 Participante                                 Camila S. Menezes – Pesquisadora

Ibiracu/ES, ____ de __________ de 2008.

ANEXO 2: TERMO DE RESPONSABILIDADE DE

UTILIZAcaO DE DADOS

Eu, Camila dos Santos Menezes, tenho conhecimento e cumprirei os requisitos da Resolucao 196/96 do Conselho Nacional de Saude e suas complementares. Como responsavel pela pesquisa intitulada 'Qualidade de vida na Terceira Idade: um estudo no municipio de Ibiracu-ES', comprometo-me a manter a privacidade e a confidencialidade dos dados utilizados na entrevista feita no Centro de Convivencia Renato Batista e na Atividade Fisica, preservando integralmente o anonimato dos participantes. Estou ciente de que os dados obtidos somente poderao ser utilizados para o projeto ao qual se vinculam.

Ibiracu, 19 de novembro de 2008.

_________________________________________________

Camila dos Santos Menezes - Pesquisadora Responsavel

ANEXO 3 – ROTEIRO DE ENTREVISTA

Nome (iniciais):

Idade:

60 anos a 64 anos (    )                            65 anos a 70 anos (    )

71 anos a 74 anos (    )                            75 anos acima       (    )

Sexo: (  ) Masc.              (  ) Fem.

Estado Civil:

Casado(a) (    )                            Divorciado(a) (   )                            Viuvo(a) (    )

Ate que serie voce estudou?

(   ) Ensino Fundamental incompleto              (   ) Ensino Fundamental completo

(   ) Ensino Medio Incompleto                            (   ) Ensino Medio Completo

(   ) Iletrado                                                                       (   ) Semi-analfabeto

1)   Em sua opiniao, como a sociedade ve o idoso?

2)   Como e ser idoso nos dias de hoje.

2.1) O que ha do positivo em ser idoso, pra voce.

3)   Quem ajuda voce com suas coisas? Familia ou cuidador?

3.1)Como e sua relacao com a familia.

(   ) otima

(   ) Boa

(   ) Regular

(   ) Ruim

(   ) Pessima

                                 3.2)Como e sua relacao com o cuidador?

4) Em sua opiniao, o que e preciso para se ter uma boa qualidade de vida?

5) Voce acha que tem essa qualidade de vida?

6) Quando a saude, o que e preciso para se ter uma boa saude?

7) Em relacao a terceira idade, o que falta em Ibiracu?

8) Voce realiza algum tipo de atividade fisica? Qual? Quantas vezes na semana?

9) Em relacao ao lazer, o que ha para se fazer?

10) O que o municipio de Ibiracu oferece para o idoso?

11) Voce conhece o estatuto do idoso?

Sim (    )                            Nao (    )

12) Sabe dos direitos e deveres do Idoso?

       13) que voce acha que e fundamental para a qualidade de vida do idoso?